Sozinha, Bahia Mineração oferece preço mínimo e vence leilão da Fiol Por Reuters


2/2
© Reuters. Bahia Mineração oferece preço mínimo e vence leilão da Fiol

2/2

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) – A Bahia Mineração (Bamin) venceu nesta quinta-feira na B3 (SA:) o leilão de concessão de trecho da ferrovia de integração Oeste-Leste (Fiol), sendo a única concorrente pelo ativo, pelo qual ofereceu pagar outorga mínima de 32,7 milhões de reais.

O resultado difere do ocorrido em leilão de 22 aeroportos na véspera, também organizado pelo governo federal, que apesar de ter tido um número limitado de concorrentes, resultou em um ágio de cerca de 17 vezes a outorga mínima.

O trecho licitado da Fiol nesta quinta-feira tem 537 quilômetros de extensão, ligando as cidades de Ilhéus e Caetité, na Bahia, sendo um corredor de escoamento de extraído pela própria Bamin e permitindo também o transporte de grãos, a partir da futura concessão do trecho II.

A Bamin terá que fazer investimentos de 3,3 bilhões de reais ao longo de 35 anos de concessão. Desse total, 1,6 bilhão será utilizado para a conclusão das obras do trecho, que estão com 80% de execução pelo próprio governo.

Subsidiária da Eurasian Resources (ERG), do Cazaquistão, a Bamin iniciou as atividades em fevereiro com produção prevista de 1 milhão de toneladas de minério neste ano e planeja dobrar a produção para 2 milhões de toneladas em 2022. A empresa prevê investir 4 bilhões de reais para elevar a capacidade anual para 18 milhões de toneladas em cinco anos.

“O que importa é que vamos contratar bilhões de reais em investimentos e criar milhares de empregos”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, após o resultado.

O diretor-executivo da Bamin, Eduardo Ledsham, disse que tanto o pagamento da outorga quanto os investimentos para as obras da ferrovia serão feitos com recursos próprios, e a expectativa é de que a unidade de negócios seja financeiramente autossustentável, diante do aumento esperado da capacidade, que deve ser usado para atender o agronegócio.

“A capacidade total esperada para a ferrovia no futuro é de 60 milhões de toneladas por ano”, disse Ledsham a jornalistas durante coletiva online após o leilão.

Para o diretor da área de infraestrutura da Alvarez & Marsal, Marcos Ganut, o resultado do leilão era previsível, dada a complexidade do ativo, que de fato faz mais sentido para a Bamin, que o usará para escoar sua própria produção de minério.

“Seria surpresa se houvesse um concorrente, mas dá até para celebrar o resultado, porque passa o desenvolvimento da ferrovia para o setor privado”, disse à Reuters.

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.





Fonte Notícia

Please follow and like us: