Senador encontrado com R$ 30 mil na cueca em investigação de desvios de recursos destinados à pandemia, apoia a CPI da Covid

[ad_1]

O senador e ex-vice-líder do governo, Chico Rodrigues (DEM-RR), é um dos 34 nomes que assinam o pedido da CPI da Covid.

Em 2020, Chico foi flagrado com cerca de R$ 30 mil escondidos na cueca durante uma busca e apreensão na Operação Desvid-19 da PF (Polícia Federal), ação que investigou desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia em Roraima.

O senador e ex-vice-líder do governo, Chico Rodrigues (DEM-RR) em sessão plenária; Foto: Agência Brasil/Divulgação

O senador retomou suas funções em fevereiro deste ano e nega as acusações. Chico Rodrigues declarou que “nenhum centavo das emendas foi utilizado” e que reassume seu cargo “com a consciência tranquila”.

O que se sabe até agora da CPI da Covid?

Em 8 de abril, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou que o Senado instalasse a CPI, usando como um dos argumentos a situação crítica da pandemia no Brasil.

O ministro Barroso atendeu o pedido enviado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO) para a instauração da comissão.

O requerimento da CPI no Senado já tinha 32 assinaturas, cinco a mais que as 27 necessárias para tal pedido (um terço do Senado).

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que não moverá “um milímetro” para impedir a atuação da CPI da Pandemia, apesar de ser contrário à sua instalação neste momento.​ Pacheco afirma que a CPI será instalada na próxima semana.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou neste sábado (10) a decisão do ministro Luís Roberto Barroso. “Interferência? Lamentavelmente existe ainda por parte do Supremo —no meu governo teve muito. Agora teve uma [interferência] no Senado. [O STF] Não tem que estar se metendo em tudo. Já deram poderes aos governadores para fazerem a política de lockdown, confinamento”, reclamou Bolsonaro, em Brasília.

O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal, decidiu neste sábado (10) que vai antecipar para a próxima quarta-feira (14) o julgamento pelo plenário do Supremo sobre a CPI da Covid. Assim, a decisão de Barroso que era liminar (provisória) pode ser confirmada e o Senado ser oficialmente obrigado a instaurar a CPI.

Kajuru divulgou neste domingo (11) uma gravação da conversa que teve por telefone com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, ordenada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF.

Em um trecho, Bolsonaro sugere fazer pressão sobre o STF. “Tem de peticionar o Supremo para colocar em pauta o impeachment (de ministros) também”, afirmou o presidente.

Nesta segunda-feira (11), o ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal, foi sorteado para ser o relator da ação do senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) que prevê a votação de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes. O pedido do senador Kajuru foi direcionado ao presidente do Supremo, ministro Luís Roberto Barroso.

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) vai encontrar com uma ação no Conselho de Ética do Senado contra Jorge Kajuru (Cidadania-GO).

A motivação do pedido de investigação do colega parlamentar foi motivada após Kajuru divulgar, neste domingo (11), uma conversa que teve com o presidente Jair Bolsonaro.

O que é uma CPI:

Comissão Parlamentar de Inquérito é uma investigação conduzida pelo Poder Legislativo, que transforma a própria casa parlamentar em comissão para ouvir depoimentos e tomar informações diretamente, quase sempre atendendo a reclamações do povo.

A CPI da Pandemia investigaria crimes governamentais na atuação da Pandemia.

LEIA MAIS NOTÍCIAS

“Minha espada não tem partido” afirma general do exército a Bolsonaro; Entenda a relação do presidente com as forças armadas

Pacheco consultará Secretaria-Geral para avaliar se pode incluir governadores e prefeitos na CPI

Confira os últimos acontecimentos no Estado de São Paulo:

[ad_2]

Fonte Notícia