Para conter evasão, alunos que concluem Ensino Médio podem receber R$ 2.900

[ad_1]

Um novo projeto de lei na Câmara propõe o pagamento de R$ 500 a R$ 800 por ano para alunos que concluírem cada uma das séries do ensino médio. O intuito é conter a evasão escolar, que aumentou na pandemia.

A autoria é da deputada Tabata Amaral (PDT-SP), junto de outros parlamentares. A quantia seria paga ano a ano direcionada a alunos de famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, ou seja, os mesmos grupos que atualmente têm direito ao Bolsa Família.

Ao todo, seriam R$ 500 após a conclusão do primeiro ano do ensino médio ou profissionalizante, R$ 600 no segundo ano e R$ 700 no terceiro, além de R$ 800 no quarto ano profissionalizante, se houver. Por fim, o estudante que fizer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ao final do clico e obtiver uma nota acima da média nacional ganharia outros R$ 300.

A projeção do custo é de R$ 4,6 bilhões no acumulado até 2023, começando por este ano. De acordo com a estimativa, seriam contemplados 2,5 milhões de alunos, correspondendo a um terço dos 7,5 milhões de estudantes que estão no ensino médio.

Um estudo de julho do ano passado liderado pelo economista Ricardo Paes de Barros, do Insper, calcula que o Brasil perde mais de R$ 214 milhões por ano com alunos de 16 anos que deixam a escola. A quantia vem dos salários mais baixos que os jovens ganham sem formação. Nesse caso, a contribuição à economia do país também é menor, influenciando na qualidade de vida e maior envolvimento em crimes.

O cálculo foi utilizada por Amaral como argumento para implementar o incentivo financeiro aos alunos. “Custaria menos de 1% do que a gente já perde com alunos que não concluem o ensino médio. É um projeto com custo-benefício muito bem mapeado e vantajoso”, afirma. Ainda de aco41rdo com a deputada, um caminho para o projeto seria integrá-lo ao orçamento do Bolsa Família.

Em relação a fonte de recursos, ela defende que a discussão surge em um contexto de discussões sobre reformas como a tributária e a administrativa no Congresso, que poderiam contribuir para realocação das prioridades.

A deputada diz ser favorável à prorrogação do auxílio emergencial, “mas se a gente quiser ter alguma chance de trazer mudança estrutural para o médio e longo prazo, ela se dá na educação”, ressalta. Ela ainda avalia que a abstenção acima de 50% no Enem deste ano é símbolo da evasão que ainda está por vir.

Leia também:

(function () {

function appendFbScript() {
var js, id = ‘facebook-jssdk’,
fjs = document.getElementsByTagName(‘script’)[0];

if (document.getElementById(id)) return;
js = document.createElement(‘script’);
js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&appId=1722343101330210&version=v2.0”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);

window.fbAsyncInit = function () {
FB.init({
appId: ‘1722343101330210’,
xfbml: true,
version: ‘v2.0’
});
FB.Event.subscribe(‘comment.create’, function (comment_data) {
console.log(comment_data);
update_comments_count();
});
FB.Event.subscribe(‘comment.remove’, function (comment_data) {
update_comments_count();
});

function update_comments_count(comment_data, comment_action) {
jQuery.ajax({
type: ‘GET’,
dataType: ‘json’,
url: ‘https://escolaeducacao.com.br/wp-admin/admin-ajax.php’,
data: {
action: ‘clear_better_facebook_comments’,
post_id: ‘87584’
},
success: function (data) {
// todo sync comments count here! data have the counts
},
error: function (i, b) {
// todo
}
}
)
};
};

appendFbScript();
}

appendFbScript();

})();


[ad_2]

Fonte Notícia