Palmeiras empolgante. Com um a menos derruba o Grêmio – Prisma

[ad_1]


São Paulo, Brasil


Como o blog havia checado, o Palmeiras não se acovardou.


Abel Ferreira mostrou que aprendeu com o vexame no Mundial.


Colocar o time jogando acovardado é um convite para a derrota.


Jogando a primeira partida da decisão da Copa do Brasil, contra o Grêmio, em plena Porto Alegre, o treinador colocou seu time para marcar adiantado, não permitir que o time gaúcho tivesse tranquilidade para sair jogando, articular seus ataques.


E com uma mudança importante. 


Com Wesley na esquerda, passando Rony para a direita.


No 4-5-1, com ataques em bloco, com muita agressividade, surpreendendo Renato Gaúcho.


Ele havia montado o Grêmio de maneira mais aberta, no 4-3-3. 


Queria fazer o resultado em casa, dominando as intermediárias, como se acostumou a ganhar títulos.



Só que a agressividade na marcação palmeirense travava sua equipe, que se ressentia de mais uma péssima partida de Jean Pyerre, o jogador cerebral do meio-campo, fundamental para o time.


E o Palmeiras saiu na frente.


Da maneira mais simples possível.


Com falha inesperada do excelente Kannemann.


O argentino não acompanhou Gustavo Gómez, que completou com uma cabeçada fortíssima o escanteio baixo cobrado por Raphael Veiga, aos 31 minutos do primeiro tempo.


1 a 0.


A jogada foi ensaiada à exaustão por Abel Ferreira. 


O Palmeiras seguia não só vencendo, como dominando o jogo.


Luiz Adriano e Rony desperdiçaram dois gols fáceis, livres, com a defesa gremista desarmada.


A partida estava controlada.


Até que Luan, que já havia cometido um pênalti infantil no Mundial, proporcionando a vitória ao Tigre, errou outra vez.


De maneira descabida, inacreditável.


Eram vinte minutos do segundo tempo.


Ele e Diego Souza disputavam uma bola que sairia para a lateral.


Com se estivesse no octógono do UFC, o zagueiro acertou uma cotovelada de encontro, no supercílio do atacante gremista. “De encontro” é juntar a força do seu golpe com a movimentação do adversário. 


Expulsão que mudou radicalmente a partida.


Com um jogador a menos, o Palmeiras passou a ser muito pressionado.


Renato Gaúcho chegou a colocar dois ‘centroavantes’: Churin e Diego Souza.


Ferrerinha jogava por ele e por Pepe, outra vez mal. Depois que foi vendido para o Porto, ele não consegue ter boas atuações pelo Grêmio.


Enfrentando a marcação firme do Palmeiras, que superpovoava a sua intermediária, impedindo a troca de passes, o Grêmio insistia nos cruzamentos na área. Apelava para a força física dos seus atacantes.


Mas o Palmeiras conseguiu se superar.


“A gente se prepara sempre para chegar nessas horas e dar resultados.


“Sabemos que é decisão.


“Eu como meia do Palmeiras tenho que estar bem. Fico feliz por achar bons passes.


“Infelizmente perdemos um jogador e depois nos adaptamos ao recorrer do jogo.


“Levamos um resultado importante para São Paulo. Acertar detalhes e fazer outro bom jogo, para se Deus quiser conquistar esse título”, resumiu Raphael Veiga, que fez excelente partida.


Além do escanteio que Gustavo Gómez completou, deixou Rony livre, cara a cara com Paulo Victor. Mas o atacante chutou por cima. Gol que não se perde em jogo normal. Ainda mais em uma decisão nacional.


Com a atuação firme de Weverton, o clube conseguiu uma vitória importantíssima.


O time pode até empatar no Allianz, no próximo domingo.


E conseguirá a Tríplice Coroa.


Depois da Libertadores, do Paulista, a Copa do Brasil, na temporada 2020.


O Palmeiras mereceu vencer em Porto Alegre.


Superou até outra bobagem de Luan…

[ad_2]

Fonte Notícia