Pagamento com celular supera uso de dinheiro vivo pela 1ª vez no mundo | Finanças

[ad_1]


Uma pesquisa levantada pela empresa FIS, empresa que trabalha com tecnologias para transações financeiras em lojas e até bancos, aponta 2020 como ano marcado por ser o primeiro onde o pagamento feito por carteiras digitais de celular ultrapassou os números registrados por dinheiro em espécie, dentro das lojas físicas.

Cartões de crédito no Apple Pay (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Cartões de crédito no Apple Pay (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O estudo levou em conta dados apurados em 41 países ao redor do mundo durante o ano passado, notando queda de 10% no número de pagamentos feitos com dinheiro vivo dentro do varejo. No total, colocar moedas e notas nas mãos dos lojistas estava presente em apenas um quinto de todas as transações deste tipo – quando cliente e varejista estão frente a frente.

A região do mundo que concentra o maior crescimento do uso das carteiras digitais em celulares ainda é a Ásia, somada com o Oceano Pacífico. Por lá, 40% de todas as vendas dentro das lojas foram concretizadas com uso de aplicativos como Google Pay, Apple Pay, Samsung Pay e até cartões de crédito que utilizam tecnologia contactless.

Para o mundo todo, os pagamentos feitos por aproximação com carteiras digitais respondeu por 25,7% de todas as vendas em lojas do comércio, seguido do cartão de crédito com 22,4%, débito em 22,3% e o dinheiro só aparece em quarto lugar, registrando 20,5% das transações.

A pandemia de COVID-19 ajudou este cenário para a queda da popularidade do dinheiro em espécie, já que o pagamento feito com carteira digital por celulares auxilia na hora de evitar contato físico. A previsão para 2024 é de continuidade na queda para a utilização do dinheiro vivo, chegando em 12,7% das vendas. Já os aplicativos para smartphones estarão presentes em 33,4% das compras físicas.

Brasil faz mais pagamento em dinheiro que por celular

O estudo dividiu regiões em países e notou que no Brasil a presença de carteiras digitais ainda não é dominante. Os brasileiros passaram mais cartões físicos nos pontos de venda que o pagamento por aproximação.

Em números fechados, 35% de todos os pagamentos feitos nas lojas físicas foram concretizados em dinheiro vivo, seguidos de 34% com cartões de crédito, 20% nos cartões de débito e apenas 8% com algum tipo de carteira digital – sem distinguir entre as soluções como Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay, de outras como PicPay e MercadoPago.

Quando o mesmo estudo mira para o comércio eletrônico, o cartão de crédito sobe para 43% das vendas e as carteiras digitais, junto de pagamento por celular, figuram em segundo lugar com 17%. Logo abaixo está o cartão de débito com 13% e dinheiro aparecendo apenas na sétima posição com 1%.

Olhando para América Latina como um todo, os pagamentos feitos com dinheiro diminuíram 34,7%, com cartões de crédito e débito figurando como o métodos de transação preferidos pelas pessoas.

Somando todos os países da região, as compras em dinheiro vivo estavam presentes em 38% das vendas e o pagamento por celular em apenas 6,4% – perdendo para cartões de crédito e débito. A previsão para 2024 é de 24,3% do comércio físico acontecendo em espécie e os celulares batendo em 12,4%.

Com informações: FIS.

[ad_2]

Fonte Notícia