Grupo budista de Mianmar sinaliza rompimento com autoridades após repressão violenta Por Reuters

[ad_1]

© Reuters. Manifestantes protestam contre golpe em Minamar

(Reuters) – A associação de monges budistas mais importante de Mianmar conclamou a junta militar a encerrar a violência contra manifestantes e acusou uma “minoria armada” de torturar e matar civis inocentes desde o golpe do mês passado, noticiou a mídia local nesta quarta-feira.

Em sua crítica mais direta à repressão sangrenta dos militares a manifestações pró-democracia, a organização nomeada pelo governo também disse em um esboço de comunicado que seus membros pretendem suspender atividades, em um gesto aparente de protesto.

O Comitê Estatal Sangha Maha Nayaka planejava emitir um comunicado final depois de consultar o ministro de Assuntos Religiosos na quinta-feira, disse o portal de notícias Myanmar Now citando um monge que participou de uma reunião do comitê.

Os monges têm um histórico antigo de ativismo em Mianmar, e estiveram na linha de frente da “Revolução do Açafrão” de 2007 contra o domínio militar – um levante que, embora suprimido, ajudou a encaminhar reformas democráticas.

Não foi possível contatar membros do comitê de imediato para obter comentários, mas a postura revelada assinalaria um rompimento significativo entre as autoridades e um grupo que normalmente trabalha estreitamente com o governo.

O papa Francisco também apelou pelo fim do derramamento de sangue, dizendo: “Até eu me ajoelho nas ruas de Mianmar e digo ‘detenham a violência'”.

Mianmar está mergulhada no caos desde que os militares depuseram o governo eleito de Aung San Suu Kyi em 1º de fevereiro, detendo a líder e membros de seu partido e provocando repúdio internacional.

Parlamentares expulsos, a maioria do partido de Suu Kyi, exortaram uma frente unida contra o golpe no país etnicamente diversificado, dizendo que a designação de terrorista seria retirada de todos os insurgentes que buscam autonomia e lutam pela democracia.

Mais de 180 manifestantes já foram mortos enquanto as forças de segurança tentam reprimir uma onda de manifestações, disse a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos (AAPP).

Manifestantes confrontaram forças de segurança em uma barricada de sacos de areia em uma rua na cidade de Yangon. A polícia abriu fogo de forma intermitente e um homem pareceu ter sido baleado na cabeça, de acordo com imagens publicadas em redes sociais.

A Reuters não conseguiu verificar o vídeo.

Partes de Yangon estão sob lei marcial, e milhares de moradores fugiram do subúrbio industrial de Hlaingthaya, onde forças de segurança mataram 40 pessoas no domingo e fábricas financiadas pela China foram incendiadas.

(Redação Reuters)

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.

!function(f,b,e,v,n,t,s)
{if(f.fbq)return;n=f.fbq=function()
{n.callMethod? n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;
n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,’script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘751110881643258’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);


[ad_2]

Fonte Notícia