Destituição do comando do PSD foi considerada arbitrária
Por Redação Publicado 15 de julho de 2015 às 09:24hs

A destituição do Diretório Estadual do PSD de Mato Grosso do Sul foi considerada arbitrária pelo advogado eleitoral Valeriano Fontoura. Ele ingressou com ação na Justiça a pedido do vereador de Dourados, Marcelo Mourão, para cassar a decisão da direção nacional. Como a liminar não foi concedida, Valeriano interpôs ontem (14), com agravo no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. Eleita e com mandato até 2017, a direção do PSD no Estado foi desfeita a pedido do novo presidente Antônio Cezar Lacerda.

“O diretório é montado através de eleição e não por indicação. Portanto, ele só poderia ser desconstituído se houvesse grave infração por indisciplina partidária, o que não houve”, destacou Valeriano. Para conseguir afastar todos os integrantes da direção do PSD, o atual dirigente “trocou informações no TRE (Tribunal Regional Eleitoral)” que alteraram a vigência do mandato do diretório.

“Eles cruzaram informação no TRE e reduziram o mandato para junho de 2016. Com essa redução, eles baixaram Executiva Provisória e nomearam nova comissão”, explicou o advogado. Mas essa não foi a única medida considerada arbitrária.

(*) A reportagem, de Zana Zaidan, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.